sábado, dezembro 24, 2005 

TANTA IGNORÂNCIA!

Para um candidato que está sempre a falar dos lvros que leu e os outros não, é uma demonstarção de grande ignorância não saber que tudo se aposta, a começar pelo futebol!

Os candidatos não são cavalos

JMC

quarta-feira, dezembro 14, 2005 

Que venha o Diabo e… não escolha

Não sei se Mário Soares é apenas descarado, se está completamente gagá, ou se à sem-vergonha e à senilidade junta uma cada vez mais acentuada dose de imbecilidade galopante. Esta dúvida surgiu-me quando, a propósito dos 25 anos passados sobre a morte de Sá Carneiro, o ouvi dizer, sem papas na língua ou embaraços de qualquer espécie, que convidara, logo a seguir ao 25 de Abril, o falecido fundador do PPD a aderir ao partido Socialista. Perante o espanto de Sá Carneiro, Soares assume ter-lhe dito que, sendo social-democrata, seria no PS que estaria bem. «Mas vocês são um partido socialista», retorquira o outro, acrescentando que lera o programa do PS e lá se via que era um partido de inspiração marxista. Que não ligasse a isso, confessa Soares ter-lhe respondido, pois isso são coisas que se escrevem nos programas, mas a realidade é outra coisa completamente diferente.

Traduzindo isto por outras palavras, queria Soares dizer, lá na sua, que o nome do PS (socialista) e a as suas bases programáticas, longe de corresponderem à sua identidade – princípios, projectos e objectivos – não passavam (como não passam, ainda hoje) de artifícios para iludir o povo e conquistar-lhe os votos. Soares, em trinta segundos, confessou que tanto ele, como o partido de que diz ter orgulho em pertencer, não passam de uma imensa fraude política, o exemplo acabado do que é a pulhice como instrumento ao serviço da manipulação do eleitorado.

E se isto já era mau, mesmo considerando a estrumeira que é a prática política na sua generalidade, o descaramento de Soares, ao confessar alegremente a sua desonestidade política, é a prova real de que tudo é ainda pior do que parece. E que se ele, apesar da provecta idade, não está completamente pifado dos neurónios, então é porque julga que os portugueses já aceitam a trampolinice como uma qualidade natural dos políticos, e a indignidade como uma virtude indispensável na política. Nada mau, para quem anda agora a defender a política e os políticos como coisas decentes e sem mácula. Vê-se…

Por isso, se eu já não tivesse decidido, há muito, que nenhum socialista, seja em que circunstância for, contará com o meu voto, esta confissão bastaria para que, nas próximas eleições presidenciais – e caso haja 2.ª volta – não fosse à minha custa que a canalhice política tivesse lugar em Belém. Entre um salazarista requentado e um fulano sem princípios, não há escolha possível. E não me digam que a opção será, nessa altura, entre a esquerda e a direita, porque Mário Soares não é – como nunca foi e jamais será – um homem de esquerda. Felizmente para a esquerda, diga-se.

Sobre isto, em 15 de Março de 2000, o advogado e jornalista António Marinho, publicou um artigo onde, entre outras coisas, disse:

«A polémica em torno das acusações das autoridades angolanas, segundo as quais Mário Soares e seu filho João Soares seriam dos principais beneficiários do tráfico de diamantes e de marfim levados a cabo pela UNITA de Jonas Savimbi, tem sido conduzida na base de mistificações grosseiras sobre o comportamento daquelas figuras políticas nos últimos anos. Espanta desde logo a intervenção pública da generalidade das figuras políticas do país, que vão desde o Presidente da República até ao deputado do BE, Francisco Louçã, passando pelo PP de Paulo Portas e Basílio Horta, pelo PSD de Durão Barroso e por toda a sorte de fazedores de opinião, jornalistas (ligados ou não à Fundação Mário Soares), pensadores profissionais, autarcas, «comendadores» e comentadores de serviço, etc. Tudo como se Mário Soares fosse uma virgem perdida no meio de um imenso bordel. Sei que Mário Soares não é nenhuma virgem e que o país (apesar de tudo) não é nenhum bordel. Sei também que não gosto mesmo nada de Mário Soares e do filho João Soares, os quais se têm vindo a comportar politicamente como uma espécie de versão portuguesa da antiga dupla haitiana «Papa Doc» e «Baby Doc».

Mais adiante, escreve António Marinho:

«A primeira ideia que se agiganta sobre Mário Soares é que é um homem que não tem princípios, mas sim fins. É-lhe atribuída a célebre frase: “Em política, feio, feio, é perder”. São conhecidos também os seus ziguezagues políticos desde antes do 25 de Abril. Tentou negociar com Marcelo Caetano uma legalização do seu (e seus amigos) agrupamento político, num gesto que mais não significava do que uma imensa traição a toda a oposição, mormente àquela que mais se empenhava na luta contra o fascismo. Já depois do 25 de Abril, assumiu-se como o homem dos americanos e da CIA em Portugal e na própria Internacional Socialista. Dos mesmos americanos que acabavam de conceber, financiar e executar o golpe contra Salvador Allende, no Chile, e que colocara no poder Augusto Pinochet. Mário Soares combateu o comunismo e os comunistas portugueses como nenhuma outra pessoa o fizera durante a revolução e foi amigo de Nicolau Ceaucescu, figura que chegou a apresentar como modelo a ser seguido pelos comunistas portugueses. Durante a revolução portuguesa andou a gritar nas ruas do país a palavra de ordem «Partido Socialista, Partido Marxista», mas mal se apanhou no poder meteu o socialismo na gaveta e nunca mais o tirou de lá. Os seus governos notabilizaram-se por três coisas: políticas abertamente de direita, a facilidade com que certos empresários ganhavam dinheiro e essa inovação da austeridade soarista (versão bloco central) que foram os salários em atraso».

Porque isto está engraçado, continuemos com António Marinho:

«Em minha opinião, Mário Soares nunca foi um verdadeiro democrata. Ou melhor, é muito democrata se for ele a mandar. Quando não, acaba-se imediatamente a democracia. À sua volta não tem amigos, e ele sabe-o; tem pessoas que não pensam pela própria cabeça e que apenas fazem o que ele manda e quando ele manda. Só é amigo de quem lhe obedece. Quem ousar ter ideias próprias é triturado sem quaisquer contemplações. Algumas das suas mais sólidas e antigas amizades ficaram pelo caminho quando ousaram pôr em causa os seus interesses ou ambições pessoais. Soares é um homem de ódios pessoais sem limites, os quais sempre colocou acima dos interesses políticos do partido e do próprio país. Em 1980, não hesitou em apoiar objectivamente o General Soares Carneiro contra Eanes, não por razões políticas, mas devido ao ódio pessoal que nutria pelo general Ramalho Eanes. E como o PS não alinhou nessa aventura que iria entregar a presidência da República a um general do antigo regime, Soares, em vez de acatar a decisão maioritária do seu partido, optou por demitir-se e passou a intrigar, a conspirar e a manipular as consciências dos militantes socialistas e de toda a sorte de oportunistas, não hesitando mesmo em espezinhar amigos de sempre, como Francisco Salgado Zenha. Confesso que não sei por que é que o séquito de prosélitos do soarismo (onde, lamentavelmente, parece ter-se incluído agora o actual presidente da República), apareceram agora tão indignados com as declarações de governantes angolanos e estiveram tão calados quando da publicação do livro de Rui Mateus sobre Mário Soares. Na altura todos meteram a cabeça na areia, incluindo o próprio clã dos Soares, e nem tugiram nem mugiram, apesar de as acusações serem então bem mais graves do que as de agora. Por que é que Jorge Sampaio se calou contra as «calúnias de Rui Mateus?»

Edificante, não é? Mas a coisa não fica por aqui. Ouçamos mais:

«Anos mais tarde, um senhor que fora ministro de um governo de Mário Soares, Rosado Correia, vinha de Macau para Portugal com uma mala com dezenas de milhares de contos. A proveniência do dinheiro era tão pouco limpa que um membro do governo de Macau, António Vitorino, foi a correr ao aeroporto tirar-lhe a mala à última hora. Parece que se tratava de dinheiro que tinha sido obtido de empresários chineses, com a promessa de benefícios indevidos por parte do governo de Macau. Para quem era esse dinheiro, foi coisa que nunca ficou devidamente esclarecida. O caso Emaudio e o célebre fax de Macau é um episódio que envolve destacadíssimos soaristas, amigos íntimos de Mário Soares e altos dirigentes do PS da época soarista. Menano do Amaral chegou a ser responsável pelas finanças do PS e Rui Mateus foi durante anos responsável pelas relações internacionais do partido, ou seja, pela angariação de fundos no estrangeiro. Não haveria seguramente no PS ninguém em quem Soares depositasse mais confiança. Ainda hoje, subsistem muitas dúvidas (e não só as lançadas pelo livro de Rui Mateus) sobre o verdadeiro destino dos financiamentos vindos de Macau. No entanto, em tribunal, os pretensos corruptores foram processualmente separados dos alegados corrompidos, com esta peculiaridade judicial (que não é inédita): os pretensos corruptores foram condenados, enquanto os alegados corrompidos foram absolvidos».

E mais adiante:

«Mário Soares utilizou o cargo de presidente da República para passear pelo estrangeiro como nunca ninguém fizera em Portugal. Ele, que tanta austeridade impôs aos trabalhadores portugueses enquanto primeiro-ministro, gastou, como presidente da República, milhões de contos dos contribuintes portugueses em passeatas pelo mundo, com verdadeiros exércitos de amigos e prosélitos do soarismo, com destaque para jornalistas. São muitos desses «viajantes» que hoje se põem em bicos de pés a indignar-se pelas declarações dos governantes angolanos. Enquanto Presidente da República, Soares abusou como ninguém das distinções honoríficas do Estado Português. Não há praticamente nenhum amigo que não tenha recebido uma condecoração, enquanto outros cidadãos, que tanto as mereceram, não obtiveram qualquer distinção durante o seu «reinado». Um dos maiores vultos da resistência antifascista no meio universitário, e um dos mais notáveis académicos portugueses, perseguido pelo antigo regime, o Prof. Doutor Orlando de Carvalho, não foi merecedor, segundo Mário Soares, da Ordem da Liberdade. Mas alguns que até colaboraram como antigo regime receberam as mais altas distinções. Orlando de Carvalho só veio a receber a Ordem da Liberdade depois de Soares deixar a Presidência da República, ou seja logo que Sampaio tomou posse. A razão foi só uma: Orlando de Carvalho nunca prestou vassalagem a Soares e Jorge Sampaio não fazia depender disso a atribuição de condecorações».

E António Marinho termina com a célebre FUNDAÇÃO COM DINHEIROS PÚBLICOS. Diz ele:

«A pretexto de uns papéis pessoais cujo valor histórico ou cultural nunca ninguém sindicou, Soares decidiu fazer uma Fundação com o seu nome. Nada de mal, se o fizesse com dinheiro seu, como seria normal. Mas não; acabou por fazê-la com dinheiros públicos. Só o governo, de uma só vez, deu-lhe 500 mil contos, e a Câmara de Lisboa, presidida pelo seu filho, deu-lhe um prédio no valor de centenas de milhares de contos. Nos Estados Unidos, na Inglaterra, na Alemanha ou em qualquer país em que as regras democráticas fossem minimamente respeitadas, muita gente estaria, por isso, a contas com a justiça, incluindo os próprios Mário e João Soares, e as respectivas carreiras políticas teriam aí terminado. Tais práticas são absolutamente inadmissíveis num país que respeitasse o dinheiro extorquido aos contribuintes pelo fisco. Se os seus documentos pessoais tinham valor histórico Mário Soares deveria entregá-los a uma instituição pública, como a Torre do Tombo ou o Centro de Documentação 25 de Abril, por exemplo. Mas para isso era preciso que Soares fosse uma pessoa com humildade democrática e verdadeiro amor pela cultura. Mas não. Não eram preocupações culturais que motivaram Soares. O que ele pretendia era outra coisa. Porque as suas ambições não têm limites, ele precisava de um instrumento de pressão sobre as instituições democráticas e dos órgãos de poder e de intromissão directa na vida política do país. A Fundação Mário Soares está a transformar-se num verdadeiro cancro da democracia portuguesa».

É de esquerda, este homem aqui tão bem retratado? Há quem diga que sim. Cá para mim, no entanto, entre Soares e Cavaco, que venha o Diabo e… não escolha, para não ficar irremediavelmente desacreditado.


Crónica de João Carlos Pereira - Lida aos microfones da Rádio Baía em 07/12/2005

in: Guia do Seixal

terça-feira, dezembro 06, 2005 

TERRÍVEL PASSADO....





JG

quarta-feira, novembro 30, 2005 

SEM GÁS?????

Parece que o Super está a ficar sem gás!

Recusa-se a responder a imensas perguntas dos jornalistas e não consegue esconder a irritação que as questões que lhe colocam lhe provocam!

JMC

quinta-feira, novembro 24, 2005 

POIS, POIS, A GENTE ACREDITA....

Só um mandato?

Mas não era este candidato que dizia há uns meses que tinha abandonado definitivamente a vida política?

JMC

quinta-feira, novembro 17, 2005 

Comunicado

A Associação das Agências de Viagem Portuguesas (AAVP) quer aqui anunciar, que apoia o candidato Mário Soares à Presidência da República pelas razões de seguida mencionadas:


1986
11 a 13 de Maio - Grã-Bretanha
06 a 09 de Julho - França
12 a 14 de Setembro - Espanha
17 a 25 de Outubro - Grã-Bretanha e França
28 de Outubro - Moçambique
05 a 08 de Dezembro - São Tomé e Príncipe
08 a 11 de Dezembro - Cabo Verde

1987
15 a 18 de Janeiro - Espanha
24 de Março a 05 de Abril - Brasil
16 a 26 de Maio - Estados Unidos
13 a 16 de Junho - França e Suíça
16 a 20 de Outubro - França
22 a 29 de Novembro - Rússia
14 a 19 de Dezembro - Espanha

1988
18 a 23 de Abril - Alemanha
16 a 18 de Maio - Luxemburgo
18 a 21 de Maio - Suíça
31 de Maio a 05 de Junho - Filipinas
05 a 08 de Junho - Estados Unidos
08 a 13 de Agosto - Equador
13 a 15 de Outubro - Alemanha
15 a 18 de Outubro - Itália
05 a 10 de Novembro - França
12 a 17 de Dezembro - Grécia

1989
19 a 21 de Janeiro - Alemanha
31 de Janeiro a 05 de Fevereiro - Venezuela
21 a 27 de Fevereiro - Japão
27 de fevereiro a 05 de Março - Hong-Kong e Macau
05 a 12 de Março - Itália
24 de Junho a 02 de Julho - Estados Unidos
12 a 16 de Julho - Estados Unidos
17 a 19 de Julho - Espanha
27 de Setembro a 02 de Outubro - Hungria
02 a 04 de Outubro - Holanda
16 a 24 de Outubro - França
20 a 24 de Novembro - Guiné-Bissau
24 a 26 de Novembro - Costa do Marfim
26 a 30 de Novembro - Zaire
27 a 30 de Dezembro - República Checa

1990
15 a 20 de Fevereiro - Itália
10 a 21 de Março - Chile e Brasil
26 a 29 de Abril - Itália
05 a 06 de Maio - Espanha
15 a 20 de Maio - Marrocos
09 a 11 de Outubro - Suécia
27 a 28 de Outubro - Espanha
11 a 12 de Novembro - Japão

1991
29 a 31 de Janeiro - Noruega
21 a 23 de Março - Cabo Verde
02 a 04 de Abril - São Tomé e Príncipe
05 a 09 de Abril - Itália
17 a 23 de Maio - Rússia
08 a 11 de Julho - Espanha
16 a 23 de Julho - México
27 de Agosto a 01 de Setembro - Espanha
14 a 19 de Setembro - França e Bélgica
08 a 10 de Outubro - Bélgica
22 a 24 de Novembro - França
08 a 12 de Dezembro - Bélgica e França

1992
10 a 14 de Janeiro - Estados Unidos
23 de Janeiro a 04 de Fevereiro - India
09 a 11 de Março - França
13 a 14 de Março - Espanha
25 a 29 de Abril - Espanha
04 a 06 de Maio - Suíça
06 a 09 de Maio - Dinamarca
26 a 28de Maio - Alemanha
30 a 31 de Maio - Espanha
01 a 07 de Junho - Brasil
11 a 13 de Junho - Espanha
13 a 15 de Junho - Alemanha
19 a 21 de Junho - Itália
14 a 16 de Outubro - França
16 a 19 de Outubro - Alemanha
19 a 21 de Outubro - Áustria
21 a 27 de Outubro - Turquia
01 a 03 de Novembro - Espanha
17 a 19 de Novembro - França
26 a 28 de Novembro - Espanha
13 a 16 de Dezembro - França

1993
17 a 21 de Fevereiro - França
14 a 16 de Março - Bélgica
06 a 07 de Abril - Espanha
18 a 20 de Abril - Alemanha
21 a 23 de Abril - Estados Unidos
27 de Abril a 02 de Maio - Grã-Bretanha e Escócia
14 a 16 de Maio - Espanha
17 a 19 de Maio - França
22 a 23 de Maio - Espanha
01 a 04 de Junho - Irlanda
04 a 06 de Junho - Islândia
05 a 06 de Julho - Espanha
09 a 14 de Julho - Chile
14 a 21 de Julho - Brasil
24 a 26 de Julho - Espanha
06 a 07 de Agosto - Bélgica
07 a 08 de Setembro - Espanha
14 a 17 de de Outubro - Coreia do Norte
18 a 27 de Outubro - Japão
28 a 31 de Outubro - Hong-Kong e Macau

1994
02 a 05 de Fevereiro - França
27 de Fevereiro a 03 de Março - Espanha (incluindo Canárias)
18 a 26 de Março - Brasil
08 a 12 de Maio - África do Sul (Tomada de posse de Mandela)
22 a 27 de Maio - Itália
27 a 31 de Maio - África do Sul
06 a 07 de Junho - Espanha
12 a 20 de Junho - Colômbia
05 a 06 de Julho - França
10 a 13 de Setembro - Itália
13 a 16 de Setembro - Bulgária
16 a 18 de Setembro - França
28 a 30 de Setembro - Guiné-Bissau
09 a 11 de Outubro - Malta
11 a 16 de Outubro - Egipto
17 a 18 de Outubro - Letónia
18 a 20 de Outubro - Polónia
09 a 10 de Novembro - Grã-Bretanha
15 a 17 de Novembro - República Checa
17 a 19 de Novembro - Suíça
27 a 28 de Novembro - Marrocos
07 a 12 de Dezembro - Moçambique
30 de Dezembro a 09 de Janeiro 1995 - Brasil

1995
31 de Janeiro a 02 de Fevereiro - França
12 a 13 de Fevereiro - Espanha
07 a 08 de Março - Tunísia
06 a 10 de Abril - Macau
10 a 17 de Abril - China
17 a 19 de Abril - Paquistão
07 a 09 de Maio - França
21 de Setembro - Espanha
23 a 28 de Setembro - Turquia
14 a 19 de Outubro - Argentina e Uruguai
20 a 23 de Outubro - Estados Unidos
27 de Outubro - Espanha
31 de Outubro a 04 de Novembro - Israel
04 e 05 de Novembro Faixa de Gaza e Cisjordânia
05 e 06 de Novembro - Cidade de Jerusalém
15 a 16 de Novembro - França
17 a 24 de Novembro - África do Sul
24 a 28 de Novembro - Ilhas Seychelles
04 a 05 de Dezembro - Costa do Marfim
06 a 10 de Dezembro - Macau
11 a 16 de Dezembro - Japão

1996
08 a 11 de Janeiro - Angola



Durante os anos que ocupou o Palácio de Belém, Soares visitou 57 países
(alguns várias vezes como por exemplo Espanha que visitou 24 vezes e a
França 21 vezes), percorrendo no total 992.809 KMS o que corresponde a
22 vezes a volta ao mundo.

JG

quarta-feira, novembro 16, 2005 

Dr. Mário Soares "Desapareça"

Depois deste texto, João Mendia foi despedido do Diário de Notícias....

http://dn.sapo.pt/2005/09/04/opiniao/dr_mario_soares_desapareca.html

A auréola de democrata que erradamente se insiste em atribuir ao dr. Mário Soares tem sido contraditada pela sua própria conduta pública. Mas agora, velho, incontinente verbal a dizer o que dantes o coarctava a ambição e a evidenciar a sua verdadeira natureza, aí o têm a recandidatar-se a presidente da República.

No que diz respeito ao Ultramar português, Soares esforçou-se de forma empenhada para que o processo se passasse como se passou. Contrariamente ao que diz e à fama que se auto-atribui.

Em tempos de PREC, o dr. Soares cativava inocentes com promessas de consultas populares, a serem feitas cá, e lá, mas a verdadeira intenção era não perguntar nada a ninguém e entregar todo o nosso território ultramarino a elementos directissimamente ligados ao estalinismo soviético. Soares executou, objectivando-o, um desiderato do Partido Comunista. É assim deste personagem a responsabilidade pelo que considero ter sido, e ser ainda, a maior catástrofe nacional a destruição, traiçoeira e vil, de um ideal eminentemente português e a sequente, horrorosa e previsível mortandade que se seguiu.

A gravidade deste horror indescritível vem ainda do facto de nunca ninguém ter investido Soares de poderes para dispor de território nacional. Nem mesmo isso seria jamais possível, por muito que invoque a legalidade revolucionária (que substancialmente não foi legalidade alguma, por se ter traduzido naquilo em que se traduziu destruição de Portugal). A partir daqui, o que se passou é da enorme responsabilidade de uma pessoa imputável há 81 anos e que dá pelo nome de Mário Soares. A "descolonização exemplar" foi "exemplarmente" criminosa, e é imperdoável, tendo em vista a sua enorme gravidade.

Na nossa entrada na CEE o género continua. Depois de consultar técnicos, por si escolhidos, e aqueles o terem esclarecido de que não seria naquela altura, nem por aquele processo, que deveríamos entrar na então CEE, Soares, à revelia de tudo e de todos, comprometeu-se com Bruxelas e "implorou" que nos aceitassem. Segue-se a cedência de tudo a todos e o desprezo olímpico pelos pareceres que iam no sentido oposto.

Para defesa do indefensável, Soares não se cansa de nos tentar convencer de que não haveria alternativas. Só que havia. E várias. A que escolheu era a pior. Todas eram melhores, incluindo a entrada na CEE, mas bem negociada.

Soares, com o maior dos desaforos tem assumido atitudes quase majestáticas, como se tudo lhe fosse devido, reivindicando "direitos" que o têm colocado em ridículos patamares, como que a cobrar-se por uma resistência que está longe de ser a tal desgraça de que se queixa. Só que o que se deveria passar seria exactamente o contrário. Por razões de gravidade infinitamente menor das que vêm descritas em documentação vastíssima, e não desmentida, como na de Rui Mateus, entre outra, e pelo que está gravado na memória de centenas de milhares de espoliados do Ultramar, até o Ministério Público já, de alguma forma, se pronunciou. Havendo mesmo um notável parecer do prof. Cavaleiro Ferreira, eminente penalista, que por completo esclarece a situação. Mas o Dr. Soares, estranha, presumida e humilhantemente para todos, arroga- -se o direito de ter direitos que ninguém mais tem.

Mário Soares está ainda longe de ter sido o responsável, como se diz, por vivermos neste simulacro de democracia. O que se passou foi que, no segundo 1.º de Maio depois de 74, quando Soares se pretendia juntar aos comunistas, foi por estes rejeitado. Só mais tarde, e por ter percebido que se não se afastasse do PC teria a sorte que tiveram as dezenas de centros regionais daquele partido, que foi terem ido pelo ar na sequência de reacções populares, aproveitou para inventar o chamado socialismo democrático, que nunca ninguém percebeu muito bem o que é, mas que é do que tem vivido até agora.

Soares, como governante, foi ainda pouco menos que uma nulidade. Nos Governos Provisórios foi o desastre que se sabe. Em 1978 foi demitido pelo gen. Eanes por má governação. Em 1983-85 frustrou completamente os acordos de coligação com o PSD, que permitiriam a Portugal desenvolver-se e modernizar a economia. Em 1983-85, com Soares no poder, a inflação chegou a uns impensáveis 24% e o défice desses governos alcançou a vergonhosa marca de 12%! O País estava quase sufocado pela dívida externa e viveu, até essa data (1985), praticamente com as estruturas do Estado Novo e com empréstimos do FMI. Tudo por culpa da teimosia do dr. Soares que, obstinadamente, se recusava a rever a Constituição que permitiria uma liberalização da nossa economia. Facto este que estava previsto nos acordos de coligação entre o PS e o PSD em 1983. O radicalismo de esquerda, no Verão Quente, foi, mais uma vez, bem mais da responsabilidade de Mário Soares do que do PC, realidade que está na base do estado actual de Portugal.

Por todas estas, e por muitas outras razões, Mário Soares é a figura política que mais e mais gravemente prejudicou Portugal em toda a sua existência. Outros terão tentado, como Afonso Costa, mas, graças a Deus, não conseguiram. Mário Soares conseguiu. Assim, e usando a expressão que ele próprio usou com um GNR que o servia, exijo-lhe dr. Mário Soares deixe-nos em paz. Desapareça.

jmportugal@hotmail.com

JMC

quinta-feira, novembro 10, 2005 

IGUAL A SI PRÓPRIO...

O Super Mário continua igual numa coisa: a lata de dizer rapidamente o contrário do que dizia ou fazia na véspera!

Depois de passar uma semana em ataques cerrados a Cavaco, interpelado por um jornalista sobre uma declaração de Alegre, respondeu candidamente que não comentava os outros candidatos!

JMC

segunda-feira, novembro 07, 2005 

MOMENTO DE HUMOR

Na sua recente visita aos Estados Unidos, Mário Soares e sua esposa, hospedaram-se num luxuoso Hotel. Cerca das 17 horas, Mario Soares agarra no telefone, chama o serviço de quartos e diz:

- TU TI TU TU TU TU.

A recepcionista não compreende o que quer dizer Mário Soares e crendo que setratava de uma mensagem cifrada, avisa imediatamente o FBI. Num ápice, apresentam-se dois agentes do FBI e postos ao corrente, e não conseguindo descriptar a mensagem decidem chamar a CIA. Os serviços secretos mandam mais dois agentes ao hotel e começam a investigar e a tentar decifrar a mensagem, mas sem qualquer resultado. Entretanto, Mário Soares, volta telefonar à recepcionista, agentes do FBI e da CIA ouvem Mário Soares repetir:

- TU TI TU TU TU TU.

Desesperados os agentes resolvem chamar o tradutor oficial da embaixada dos Estados Unidos em Portugal. Um caça supersónico do Pentágono recolhe imediatamente, no aeroporto de Figo Maduro, o respectivo tradutor que é conduzido sem mais delongas aos Estados Unidos. Chegado ao hotel e posto ao corrente da situação o tradutor disfarça-se de criado, vai aos aposentos de Mário Soares e descobre o mistério.

O ex-presidente Português e actual candidato tinha querido dizer «...Two tea to 222...».

sexta-feira, novembro 04, 2005 

VIRAGEM À (EXTREMA) ESQUERDA

Com a viragem (ainda mais) à esquerda, o Super arrisca-se a recolher os votos do BE e do PCP, mas perdendo a maioria do PS. E quanto maior for o deslizamento, maiores as hipóteses de perder logo à primeira volta!

JMC

sexta-feira, outubro 28, 2005 

COINCIDÊNCIAS!

Depois de ter levantado de novo as questões nunca bem esclarecidas de negócios menos claros no tempo de Mário Soares à frente do PS, Joaquim Vieira foi despedido da Revista Grande Reportagem...


JMC

 

MAIS AFIRMAÇÕES DE CLARK KENT=SUPER

«Mário Soares uma vez disse-me "Na vida as pessoas que se safam são as que são como os gatos: fazem e tapam logo". Eu não sou como os gatos, não tenho essa arte.»

«IDEOLOGICAMENTE identifico-me mais com Cavaco e na MANEIRA DE SER com Soares»


JG

quarta-feira, outubro 26, 2005 

O Super já nomeou Mandatário para as alocuções e conferências de imprensa



Fortalece a memória e estimula a atenção.

.

Ajax

 

Os dois amores do Super :

Contra a direita revanchista
e
Contra a esquerda Socialista.

.
Ajax

 

CUIDADO!

Tenham medo, MUITO MEDO!

Vem aí o papão do fascismo, como em 1986!

Mas como a mesma água não costuma passar no mesmo sítio duas vezes....

Desta vez não deve pegar; ainda por cima quem ele acusou nessa altura de ser da extrema-direita é hoje amigo do peito... Acham que alguém ainda vai acreditar?

terça-feira, outubro 25, 2005 

deu a gripe ao manifesto

Recomenda-se ao Sr. Porta-Falas que antes de qualquer alocução do Super, faça o favor de pedir uma contra análise.
Pelo bem-estar do aviário.

Ajax

 

Foi hoje, mas...

Esperava-se uma vernissage, e afinal foi música.


As falas do manifesto estavam cheias de novidades, realmente inovadoras.
Consta que o prof. Karamba vai integrar a comissão de marketing.


Ajax

 

Como vai ser? Como vai ser?

Soares apresenta hoje manifesto para presidenciais

Como vai isso ser apresentado?

- Em papel, ou... Em_áudio?
.
Ajax

 

UM ÓPTIMO ARGUMENTO CONTRA SOARES

Involuntariamente, no blog Super-Mário é-nos indicada a maior fraqueza de Mário Soares:

Já todos sabemos como é Mário Soares na Presidência da República.

E é por isso mesmo que há tanta gente contra Soares!

Já sabemos que não estuda os dossiers.

Já sabemos que diz uma coisa hoje e outra amanhã.

Já sabemos que com ele houve financiamentos muito suspeitos ao Partido Socialista.

E muitas mais coisas que todos sabem e que são a verdadeira menos-valia de uma candidatura destas...

JMC

segunda-feira, outubro 24, 2005 

Os novos são os piores...

Há um Ivan, que faz o papel de cristão-novo nesta alegoria.
Nem sequer é terrível e muito menos temível.
Mas de tão novo, claro que é indefectível, como não podia deixar de ser.
O curioso é que há poucos anos fazia "contra", os rabiscos que agora faz "pró".
Não, não foi o Super que mudou. Foi o Ivan que se acomodou.
São as forças centrípetas do conforto burguês.
Dada a piada, roga-se que continue.
Mas não exagere em pretender ser terrível, já que o frio começa a fazer-nos cieiro e o rir torna-se penoso...
E preste atenção ao desparasitador oficial da candidatura. just in case.
.
Ajax

 

A Banda Larga e os diálogos às esquinas:

- Joana. Acho que não fizeste bem. O outro vai ganhar à primeira volta.
- Não!!!
- Sim, sim. E tu vais ficar mal na fotografia.
- Como é isso?
- O outro vai ter mais votos. Certo?
- Certo.
- Logo, esse vai perder, logo à primeira volta…
- Espera. Explica-me como se eu fosse muito burra.
.
Ajax

 

Um Super uno, mas divisível

Será que Jimmy Olsen não sabe que Clark Kent (a versão rasca) e o Super (a versão refinada) são a mesma pessoa, feitos da mesma massa, voando no mesmo espaço? Ou faz-se de parvo para aproveitar? Talvez indo aqui se perceba!

JG

sexta-feira, outubro 21, 2005 

Os fetiches do Super I

A fruta do pecado.

a pataca de Macau.

 

Os recursos do Super

O desparasitador

 

O Super e as personalidades múltiplas ou o Super nas nuvens

Mário Soares não prestou declarações, mas o porta-voz da sua candidatura, Nuno Severiano Teixeira, saudou hoje a entrada de Cavaco Silva na corrida a Belém e afirmou esperar que a campanha decorra «com nobreza e elevação». Da TSF on-line

Todos os candidatos se prestaram pessoalmente a emitir declarações sobre o anúncio da candidatura de Cavaco. Todos? Todos menos um!

O Super!

Ou o porta-voz da candidatura é mais uma das tais personalidades resultantes da fragmentação de personalidade do Super, ou o Super deu mais uma amostra de sobranceria (snobismo?) não querendo descer ao nível dos cidadãos comuns que até se candidatam a Presidente da República Portuguesa. Ele está acima de tudo isso e, apesar de laico, é tu cá, tu lá, com as divindades que andam lá por cima.

JG

 

O Super e os requisitos para Belém

A minha próstata está boa.

Ajax

 

FRASES INESQUECÍVEIS III

"A descolonização foi exemplar."

Ajax

 

O Super e a liberdade de imprensa

Antes de ontem, à saída do cinema, confrontado com uma pergunta de um jornalista, o Super respondeu o que já foi citado aqui: "Gosto muito de si, mas não seja impertinente!!!"

Existe ou não liberdade de imprensa desde o 25 de Abril? O Super pensa que se encontra acima de tudo e todos e a democracia é só para os outros? A pergunta não estaria no guião e deveria ter sido programada anteriormente?

JG

 

FRASES INESQUECÍVEIS II

"Eu gosto muito de si. Mas não pode ser impertinente!"

(Mário Soares)

JMC

 

FRASES INESQUECÍVEIS

"Ó Senhor Guarda, Desapareça! Desapareça homem!"

(Mário Soares)

JMC

quinta-feira, outubro 20, 2005 

As cores da Kriptonita

Há diferentes tipos de Kriptonita.
Além dos abaixo indicados, há também a Kriptonita "cor-de-rosa", na presença da qual todo o verniz empalidece, começa a estalar e acaba por cair completamente, revelando-se o material subjacente, ou seja - a essência da coisa.

Foi esta pedra, na altura conhecida como pedra Roseta, que devido ao seu poder revelador ajudou Champollion a decifrar todos os segredos do antigo Egipto.

Na política, este tipo de Kriptonite é o que mais preocupa os candidatos menos sérios - digamos assim para não se ferirem humores e não começarem já a dizer que somos caturras.
Algum candidato que se julgue Super, sem efectivamente o ser, deve precaver-se e fugir do cor-de-rosa, não vá ele ser pedra, cair-lhe sobre os projectos e achatar-lhe as ambições.

Ajax

 

Desorientação total!

Junto dos soaristas reina a desorientação!

Se julgam que é a atacar o Alegre que vão ganhar ao Cavaco, desenganem-se!

Mas também, não se preocupem que não vão à segunda volta, porque é uma coisa que não vai haver!

JMC

 

A abrir ou Cuidado com os excessos de velocidade!

Este é um blog integramente livre feito por pessoas que não querem ver Mário Soares ganhar as próximas eleições presidenciais. Para além desta convicção comum, aqui, cada um dirá o que entender. Existe, é claro, uma intenção dissuasória, porque para perder eleições é preciso não convencer o maior número de pessoas; mas este blog também pretende servir para pensar, informar e discutir sobre as próximas eleições, e acima de tudo, servir para pôr as pessoas a pensar.

O nome deste blog é o de um mineral fictício que aparece nos comics do Superman, tal como fictício é o próprio Superman e todos os outros Super-Heróis que aparecem por aí presumindo serem os salvadores do Universo. Porque são os eleitos devido a um qualquer determinismo, porque são intelectualmente superiores, porque são detentores da verdade absoluta... Enfim, porque têm super-poderes!!!

Mas existe a Kriptonita, com várias cores e utilizações. Falemos apenas de duas, as mais interessantes. A verde é a mais conhecida: debilita o Super, podendo, em caso de exposição excessiva acabar com ele. A vermelha é a mais divertida: ocasiona efeitos transformistas, mas temporários, podendo transformá-lo em gémeos (a questão da dupla personalidade, ou melhor, personalidades múltiplas), em formiga gigante (térmita), em cogumelo (cuidado com os venenosos)...

Este blog permanecerá até que estejam concluídas as eleições presidenciais, esperando convictamente que no final, o Super Mário se transforme em Super Mako e vá para casa, pacatamente, fazer bricolage.

Já tem idade para isso. Porque este Super faz lembrar aqueles Avôs que querem pôr e dispôr lá em casa, mas o Pai é que sustenta a casa. Gostamos deles! Porque apalpam a enfermeira, porque já misturam os pormenores das estórias que contam, porque vão para a rua com o pijama vestido (curiosamente, uma mania dos Super)... Mas imaginemos o que aconteceria com eles a governar a casa...

Este blog estará aberto a todas as colaborações e interacções com outros que comunguem da nossa convicção catalizadora e expressa no início deste texto.

Tanbém teremos espaço para comentários. Porque não nos limitamos a dizer que somos democráticos e livres. Porque praticamos a democracia e a liberdade. Ao contrário do blog Super Mário, que não permite comentários. Começam mal!!!

Venham connosco! Sejam livres, irreverentes, insubmissos, impertinentes...

JG

SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO

  • JMC
  • de Smallville
  • Ajax
  • de Metropolis
  • JG
  • de Wiesbaden

Links

Referências